Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Coletânea de poesias CIDADE
17/03/2022 20:52 em Poema

pOr CIDADE

 

 

 

O QUE TENS

em que gira

Espelhos de mira

Mirra joelhos

Maracujá alcança

E não parece que o mundo padece

Favo oculto

Farinha que fenece

 

Dentro da noite delicada.

 

 

BINGO

Bingo gritou o farmacêutico

E não foi trabalhar no dia seguinte

Fiquei sem meus remedinhos de ouvinte

E sem meu ligante terapêutico

Meu tio matou um cara que matou um cara

Que matou meu pai

Todos Robins se apresentaram

Nenhum dos Robins importam

São muitos sachês de condimentos

Para pouco alimento

BINGO gritou minha namorada

Dedilhando os ossos de uma baleia

Para perfumar as mãos

Ela anseia por um dia na vida

 

Em que não esteja chateada.

 

 

Foi Uma Noite

Foi uma noite tranquila de cervejas

Amarelo nosso espírito

Nosso planeta voltando a ser o mesmo

Alguém leu muito mal “O Corvo” de Edgar Allan Poe

E não fui eu

Nem cheguei montado em um corcel branco metálico

Lhe apresento a banda: Eu sou a banda

Os tigres nascem iguais mas não morrem iguais

Assim como as hienas.

COMENTÁRIOS