Revista Rockpedia » Música

 

Últimas notícias

O SUL EM CIMA - Especial YAMANDU COSTA e ALESSANDRO PENEZZI

Sexta-feira, 11 de Agosto de 2017 às 10:50

Ouça o programa O Sul em Cima com Kleiton Ramil, todos os sábados 14 horas, aqui: http://www.rockpedia.com.br/

 

 
 
Gaúcho de Passo Fundo (RS), Yamandu evoca toques portenhos que chegam ao Sul do Brasil através da Argentina. Já Penezzi, paulista nascido em Piracicaba (SP), embute influência da escola flamenca de violão no toque dos temas deste CD instrumental que une dois virtuoses prestigiados no universo musical brasileiro.
 
YAMANDU COSTA
Violonista e compositor nascido em Passo Fundo em 1980, Yamandu começou a estudar violão aos 7 anos de idade com o pai, Algacir Costa, líder do grupo “Os Fronteiriços” e aprimorou-se com Lúcio Yanel, virtuoso argentino radicado no Brasil. Até os 15 anos, sua única escola musical era a música folclórica do Sul do Brasil, Argentina e Uruguai. Depois de ouvir Radamés Gnatalli, ele começou a procurar por outros brasileiros, tais como Baden Powell, Tom Jobim, Raphael Rabello entre outros. Aos 17 anos apresentou-se pela primeira vez em São Paulo no Circuito Cultural Banco do Brasil, produzido pelo Estúdio Tom Brasil, e a partir daí passou a ser reconhecido como músico revelação do violão brasileiro. 
Revelando uma profunda intimidade com seu instrumento e com uma linguagem musical sem fronteiras, percorreu os mais importantes palcos do Brasil e do mundo, participando de grandes festivais e encontros, vencedor dos mais relevantes prêmios da musica brasileira. Em 2010, o CD Luz da Aurora com Hamilton de Holanda foi indicado para o Grammy Latino.
Em 2012 ganhou em Cuba o Prêmio Internacional Cubadisco pelo CD Mafuá e uma Menção do Prêmio ALBA pelo CD Lida.
Yamandu Costa é na atualidade o músico brasileiro que mais se apresenta no exterior abrangendo os mais diversos países do globo: França, Portugal, Espanha, Bélgica, Alemanha, Itália, Áustria, Suíça, Holanda, Suécia, Noruega, Finlândia, Estônia, Eslovênia, Rússia, Lituânia, Sérvia, Grécia, Macedônia, Israel, Chipre, Índia, China, Japão, Coréia do Sul, Zimbabwe, Cabo Verde, Angola, Emirados Árabes, Austrália, EUA, Canadá, Equador, Cuba, Colômbia, Chile, Argentina, Uruguai e Costa Rica.
 
ALESSANDRO PENEZZI 

Compositor e arranjador, Alessandro Penezzi toca violão, violão de 7 cordas, violão tenor, cavaquinho, bandolim e flauta.
Nascido em Piracicaba, interior de São Paulo, iniciou os estudos de violão aos 7 anos. Formado em violão erudito pela Escola de Música de Piracicaba – sob a orientação do Maestro Ernst Mahle e do professor Sérgio Belluco, que lhe apresentou o choro -, é bacharel em Música Popular pela Unicamp.

Integrou o Regional de Carlos Poyares, o Trio Quintessência e o Grupo Choro Rasgado. Em trio, atuou com Yamandú Costa e Rogério Caetano, e Sizão Machado e Alex Buck. Em duo, com o Maestro Laércio de Freitas, Alexandre Ribeiro e Nailor Proveta. Tocou com Dominguinhos, Hermeto Pascoal, Zimbo Trio, Beth Carvalho, Sílvio Caldas, Billy Blanco, Alaíde Costa, D.Ivone Lara e as orquestras Jazz Sinfônica de São Paulo e Sinfônica de Londres. Participou do Violões do Brasil, projeto dedicado aos mestres do violão brasileiro e abriu o show de Wayne Shorter, na 30a edição do Spokje Jazz Festival, na Macedônia.

Tem composição publicada no livro Brasil Acústico, pela editora Alfred Music, e músicas gravadas por Beth Carvalho, Yamandú Costa e Danilo Brito.

Recebeu homenagens e indicações por sua atuação como instrumentista e compositor, e teve destaque nos prêmios Visa MPB Instrumental, Tim de Música Brasileira, Shell de Teatro e Prêmio da Música Brasileira.

 
CD QUEBRANTO (2017)

Na cultura cigana, quebranto é um sortilégio que se lança pelo olhar para enfeitiçar alguém. No CD “Quebranto”, Yamandu Costa e Alessandro Penezzi produzem esta magia unindo seus violões em 13 faixas que reúnem seis composições da dupla, além de homenagens aos mestres dos dois instrumentistas. O paulista Alessandro Penezzi é um multi-instrumentista (bandolim, flauta além do violão) e conheceu Yamandu Costa há 15 anos. Yamandu destaca que Penezzi, assim como ele, teve acesso à música de fronteira, e que o encontro dos dois se deu de forma muito natural. Em uma reverência aos mestres de am

bos, a dupla gravou “Valsa Seresteira Nº 1”, de Sérgio Belluco, um professor que formou muita gente na região de Piracicaba (SP) e que foi importante no aprendizado de Pennezi. Yamandu, por sua vez, reverenciou seu professor Lucio Yanel, com uma parceria entre ambos, “Meu Gurizinho”. Completam o repertório “Dayanna” (Alessandro Penezzi), “Samba pro Rafa”, “Bolero Negro” e “Saracoteco”, todas de Yamandu Costa. O título do CD, “Quebranto”, vem de uma composição de Penezzi, que assim foi “batizada” por Yamandu. E gerou uma bela ilustração na capa, resultado de uma pesquisa na obra do artista gráfico paulista Stephan Doitschinoff,. “Esta capa é referente à linguagem latina de forma geral, uma linguagem cigana, mundana, e que tem a ver com o violão que a gente toca. Por isso nós acabamos chegando nesse nome, Quebranto, como se fossem os violões conquistando a mulher na roda de fogo, em um ambiente festivo, zíngaro, gitano”.

 

Contatos:

 

 

 

© Rockpedia A RÁDIO ROCK
BRLOGIC